O que você deixou de ser quando cresceu?

O que você deixou de ser quando cresceu?

O que você deixou de ser quando cresceu?

Essa semana estive em um curso em Porto Alegre sobre neuromarketing e lá falou-se muito em comportamento do consumidor. O que deixamos de ser quando crescemos? Como mudamos nosso comportamento? Lembra quando consumimos quando criança por influência dos nossos pais, e ao nosso evoluir, ao crescer, começamos a consumir conforme nossos amigos, e depois de acordo com nosso psicológico, de como nos sentimos consumindo, e em seguida passamos a consumir de forma pessoal.

Como estão as empresas em torno disso? Elas, com esse novo comportamento de compra do consumidor perceberam a importância de fazeremparte dos clusters, fazer parte das comunidades, ou seja, interagir diretamente com o consumidor através destas comunidades. Percebe-se hoje que pouco acreditamos nas publicidades de antigamente, por exemplo, lembra como consumimos batom na década de 80 com a propaganda compre batom? E em seguida não é uma brastemp? E outras que nos influenciaram e influenciaram os nossos pais a consumir. Hoje não consumimos mais assim, nós primeiro questionamos alguém, algum conhecido de tiro de nossos clusters, e não foi a toa que o facebook criou o recomendação, assim podemos pedir recomendações pela rede social, aos amigos que estão ali conectados.

Nós consumimos conforme a nossa comunidade, e o grande objetivo das empresas é possuir advogados da sua marca, eles estão dentro das comunidades e no momento necessário defenderão a marca e indicarão uma compra. Olha que interessante esse novo comportamento do consumidor, esse novo comportamento em que decidimos através dos nossos amigos e conhecidos o que consumir ou não. Quando vamos comprar perguntamos aos nossos amigos do whatsapp, facebook ou outra rede social qual indicação, como consumir o que eles indicam.

Essa semana no curso foi muito interessante, pois percebi como a neurociência está ligada ao nosso comportamento de compra, como nosso cérebro e as ações de marketing influenciam no nosso comportamento, nas nossas ações, como acabamos consumindo para fazer parte de uma sociedade, para fazer parte de um grupo, para nos sentirmos aceitos, vamos começar a pensar como consumimos? Olha que interessante o que o marketing faz, pois ele cria processos para que sejamos induzidos sem perceber.

Nós vendemos o tempo inteiro, na vida pessoal e nas empresas em que trabalhamos, se pararmos para pensar vendemos idéias, produtos, vendemos a nós mesmos, para fazer parte de grupos de amigos, e de grupos profissionais, então vamos pensar um pouco mais em nossas ações e nos nossos processos de compra, o que você tem consumido, como você tem sido influenciado, como você tem influenciado outras pessoas para consumir. E a pergunta final que fica, o que deixou de consumir ou passou a consumir quando cresceu?

Nas próximas semanas vamos conversar um pouco mais sobre o neuromarketing, sobre a neurociência, sobre como nosso cérebro muitas vezes nos engana, como queremos acreditar que alguma ação é certa ou que alguma ação de compra é a melhor, como muitas vezes sofremos de dissonância cognitiva, que é um processo em que consumimos e depois nos arrependemos.

Comece a pensar em seus processos de compra e continue a acompanhar semanalmente o blog, e não esquece, se tiver alguma sugestão ou dica, que queira que eu escreva comente aqui ou nas redes sociais. Meu Instagram é @anabarbara.dias e minha fanpage é @navidatudoeumatroca, porque afinal tudo na vida é uma troca. Obrigada! Até semana que vem.

Ana Bárbara Dias