O marketing e as inteligências

O marketing e as inteligências

O marketing e as inteligências

Lembra na semana passada que conversamos sobre toda a evolução do marketing e como ele tem influência em nossas vidas? Essa semana, quero conversar com você sobre as inteligências que a gente desenvolve, e olha que engraçado, que coincidência, que o processo acontece junto com o marketing. No marketing 1.0 percebemos que ele tem o foco na venda, e ao mesmo tempo em que o marketing surgia, era estudado, as  múltiplas inteligências, e afinal qual a ligação das inteligências desenvolvidas por nós com o marketing?

A primeira delas é a inteligência racional, que é a inteligência com a qual resolvemos problemas lógicos, matemáticos, tomamos decisões com base em algo, em alguma necessidade, em alguma razão. Perceba que a inteligência racional tem muito a ver com a razão, com o processo de compra, com o processo do marketing 1.0, que visava produzir e vender, é a razão acontecendo. Em que o consumidor não é emocional ele somente consome por instinto por perceber uma necessidade.

Quando estudamos o marketing a fundo percebemos que o marketing identifica as necessidades para criar um desejo, e esse desejo embutido no consumidor o faz acreditar que essa é a necessidade dele naquele momento, mas na verdade é um desejo que o marketing criou. Então se seguiu os anos e surgiu o marketing 2.0, que se preocupa com a satisfação, e não só em vender, nesta fase as empresas produzem pensando na satisfação dos consumidores, e qual a inteligência que surge, e se relaciona com o marketing?

É a inteligência emocional, em que temos a emoção envolvida. Ela conforme o autor Gilberto Vitor, está relacionada às habilidades de motivar a si mesmo e persistir mediante frustações; controlar impulsos, canalizando emoções para situações apropriadas; praticar gratificação prorrogada; motivar pessoas, ajudando-as a liberarem seus melhores talentos, e conseguir seu engajamento a objetivos de interesses comuns.

Ela então agrega a razão com a emoção, tal como no marketing 2.0, trazendo produtos que tenham custo benefício, que sejam funcionais e emocionais. Surge então o marketing 3.0 que é voltado para as relações, que é centrado nas relações humanas, trazendo com ele à inteligência relacional. Eu tenho então inteligência racional, emocional e relacional, para que seja possível se relacionar com todos os envolvidos. Lembra que semana passada eu citei que no marketing 3.0 temos o envolvimento de muitos para muitos? Temos todos participando do processo construtivo de um produto, de uma ideia, queremos então a funcionalidade, a satisfação e a relação de muitos.

Então temos o que vivemos hoje em dia, a inteligência artificial, perceba como as inteligências acompanharam a evolução do marketing. O que vivemos hoje é o marketing 4.0, que tem o foco na conexão, que é feita através da internet, das redes, sendo este interligado à inteligência artificial, que segundo a Martha Gabriel, também é conhecida como computação cognitiva, ou seja, o computador poder pensar como o ser humano, que possui um potencial inigualável, permitindo superar os nossos cérebros, expandindo para um progresso gigantesco.

Percebemos então a força da inteligência artificial vindo para agregar ainda mais valor no processo do marketing 4.0. Olha que interessante, que todo mercado se desenvolve junto com a nossa vida, como todos os comportamentos se adaptam com as inteligências que vamos aprendendo, se adaptando também ao mercado em que vivemos e aos processos que acontecem ao nosso entorno.

Comece a perceber mais o quanto nossas inteligências e o marketing estão ligados. Continue acompanhando o blog, não se esqueça de comentar, deixar dicas, sugestões, me segue no Instagram @anabarbara.dias, acompanha também a fanpage no facebook @navidatudoeumatroca, e não esqueça que na vida tudo é uma troca. Obrigada.

Ana Bárbara Dias