E afinal, o que é neuromarketing?

E afinal, o que é neuromarketing?

E afinal, o que é neuromarketing?

Muito tem se falado em comportamento do consumidor, em neuromarketing, em utilizar as ferramentas para acessar o consciente, e do inconsciente, buscando melhorar o processo de compra, o processo de venda, de conquista do consumidor, mas antes de entrarmos a fundo no neuromarketing quero conversar com você sobre um assunto que também é muito importante, o nosso cérebro. Ele é o instrumento mais importante do nosso corpo, o que fazemos, o que vemos, o que sentimos está relacionado ao nosso cérebro.

Em um evento que fui, a neurocientista Martha Gabriel comentou sobre 12 dicas relacionadas ao cérebro, temos que pensar um pouco mais sobre as ações que executamos, sejam elas relacionadas ao consciente ou ao inconsciente. Quanta coisa inconsciente nós fazemos? Lembra da mochila que nós falamos em alguns textos atrás? Tudo que foi colocado em nossa mochila pelos nossos familiares, nossos amigos, essa mochila, é o nosso cérebro, relacionada diretamente aos nossos processos, hábitos de compra, de consumo, nossos hábitos do dia-a-dia. Sempre quando eu falo da mochila eu cito um exemplo simples, o que você toma de manhã, leite com? Todo mundo fala nescau, mas eu tomo Toddy, porque foi o que minha mãe colocou na minha mochila, faz sentido?

São processos assim que temos que começar  a pensar, o que tem na nossa mochila, essa mochila está la dentro de nosso cérebro, que nos faz tomarmos decisões de forma inconsciente. É importante a gente começar a pensar em agir mais consciente. Muito tem se falado em neuromarketing, neurociência, em neurolinguística e vamos conversar muito sobre esses assuntos, mas vamos começar dando as dicas que a Martha Gabriel passou para que a gente tente utilizar mais nosso cérebro, para conseguirmos medir o que conseguimos realizar. Para termos um cérebro consciente filtrando as mensagens através da programação neurolinguística, porque no subconsciente já temos as mensagens subliminares, os cheiros que nos fazem lembrar de alguma coisa, ou uma comida que nos lembra alguém, pois temos os cinco sentidos, olfato, audição, visão, paladar e o sinestésico que é o tato, que nos faz sentir.

A Martha Gabriel nos deu 12 dicas para refletirmos um pouco mais, e utilizarmos nosso cérebro de forma mais consciente. Na primeira dica ela utiliza uma frase que conhecemos muito do Descartes, penso logo existo, mas na verdade somos muito mais sinestésicos, então a gente sente logo existe, e quem manda na gente é o coração, são as emoções, agimos de acordo com o que sentimos e não com o que pensamos. Vamos pensar um pouco mais, um bebezinho quando sente fome ele chora não é, ou seja, ele sente e não pensa na fome.

A segunda dica que ela dá é para tentarmos dormir de oito horas, a oito horas e meia por noite, eu sei que quando falamos em dormir oito horas por dia parece impossível, mas a quantidade que dormimos a noite influencia diretamente o desenvolvimento de nosso cérebro, quando dormimos alinhamos nossos neurônios para fazer novas neuro transmissões, vamos falar de neuro transmissões do neuromarketing nas próximas semanas também. Então tente dormir um pouco mais, se organize para ir mais cedo para cama, para que você pelo menos consiga dormir oito horas.

A dica número 3 é, crie energia para teu cérebro, coma castanha, evite beber, evite comer açúcar. Sempre que falamos em energia logo vem a mente tomar um café, mas isso é um processo de neurotransmissão, pois acreditamos que tomar café nos dá energia, e na verdade conforme alguns estudos ele não da energia, o fato de acreditarmos nisso é que nos dá energia. E isso também é válido, temos que pensar que isso faz bem, faz sentido para mim é assim que eu quero que aconteça, então pense o que faz sentido para você, e que te dá energia, e o que te tira energia, pense mais sobre isso, como você se alimenta, se bebe água ou não.

A nossa cabeça é uma fazenda de neurônios não é? Vamos tentar começar a criar novos neurônios, para melhorar a atividade do cérebro. Este é a quarta dica que ela nos mostra, criar novos neurônios, aprenda um instrumento novo, você não precisa ser o melhor baterista ou guitarrista, ou o melhor no instrumento que você escolher, mas comece desenvolver seu cérebro com um instrumento totalmente novo.

A dica cinco é também sobre criar novos neurônios aprendendo uma nova língua, fazendo seu cérebro agir de uma forma diferente. A dica número seis é  fazer exercício físico, sempre que você faz exercício físico facilita a geração de idéias, mente sã, corpo são. Eu comecei  a praticar exercício diariamente e em seguida tenho vários insights. Faça exercícios e escreva ou grave o que você está pensando logo em seguida, eu tenho gravado muito, inclusive a última dica que ela dá é para utilizarmos esses assistentes digitais que temos nos celulares para nos ajudar, mas vamos falar disso daqui a pouco.

A dica número sete é, produza ocitocina, abrace, ocitocina é a fórmula do amor, traz mais confiança, a melhor forma de criar ocitocina para você que não está gradiva, é abraçar. A dica oito é gameficação, você já deve ter ouvido falar, a gameficação ativa a competição, é a competição que ativa o cérebro. Pense sobre isso, estamos sempre competindo, e não é um com o outro e sim com a gente mesmo, para que sejamos  cada vez melhor.

A dica nove, me lembra muito aquele filme Forest Gump, não sei se você já assistiu, o ator é um contador de história, e a dica nove é, storytelling, conte histórias, não queira convencer, persuadir direto. Conte uma história, envolva seu consumidor, isso modifica a química do cérebro, pois quando você conta uma história, você envolve o outro, no curso que eu fiz essa semana sobre o poder do sim, com Fernando Felix, ele citou um exemplo simples sobre storytelling, como em um aniversário após os parabéns todo mundo pede um discurso, e a pessoa diz obrigada a todos os presentes, mas e se ela transforma-se  isso num storytelling, dizendo assim: nossa nesse momento eu tenho que agradecer ao fulano e ciclano que estão comigo a 10 anos, eu lembro de tal evento, de tal aniversário, criando uma história envolvendo as pessoas, seria bem diferente a sensação não é? Então crie histórias e envolva mais as pessoas.

A dica número dez é medite, a meditação, é também algo muito difícil, mas se você se interessar dê uma olhada em mindfulness, eu fui em um evento de mindfulness e é muito legal, pois ele te faz sentir e viver o presente, vivendo cada momento intensamente. Os Coaching costumam dizer, 100% satisfação ou nada, então viva o presente, sinta o momento, respire o ar que você está, sinta na pele, o cheiro, o gosto, a energia.

A dica número onze  é a fadiga de decisão, e é muito interessante, foi a primeira dica que eu comecei a usar, pois foi a que mais fez sentido para mim. Ao longo do dia nosso cérebro também vai ficando cansado e como nosso corpo cansa o cérebro também cansa, então a dica é tomar as decisões importantes pela manhã, para termos decisões mais assertivas, quando o seu cérebro ainda está mais disposto, tomar uma decisão a noite pode ser mais difícil. Tome decisões importantes pela manhã, não deixe para tomar decisões ao longo do dia, pense mais sobre as suas decisões importantes logo que você acorda, não gaste seu cérebro pensando nelas a noite, e as decisões simples como que roupa vou vestir amanhã, essa decisões são chamadas de decisões burras, deixe para decidir a noite, não gaste neurônios com elas.

A última dica que já citei é, converse com seus assistentes digitais, utilize seu bloco de notas, a agenda do seu celular, tudo para potencializar o uso do seu cérebro. Pense que nosso cérebro é igual a um HD, quanto mais ele estiver cheio mais lento ele fica, e derrepente ele trava, evite o acúmulo de informação no cérebro deixando ele mais livre para coisas importantes. Lembra sempre que na vida tudo é uma troca e continue comigo, que vamos falar muito sobre neuromarketing, neurociência, neurotransmissores, não esqueça de seguir minha fanpage @navidatudoéumatroca e meu instragram @anabarbara.dias. Obrigada!

Ana Bárbara Dias