Como usar o neuromarketing

Como usar o neuromarketing

Como usar o neuromarketing

Essa semana vamos continuar falando sobre neuromarketing, esse assunto tem sido muito falado em todos os lugares, mas como utilizar o neuromarketing, e o que é essa ciência nova? O neuromarketing é praticamente conseguir entrar na mente do consumidor, é conseguir compreender o consumidor, compreender a mente do ser humano tão bem a ponto de ficar fácil entrar nela e conseguir vender uma ideia, um produto, um serviço.

Vamos começar a compreender como utilizar essa ciência que visa desvendar a mente dos consumidores, e o início é compreendendo quais são e como usar os vinte pontos do neuromarketing, o que são eles? São os vinte pontos que você consegue utilizar para persuadir o seu consumidor, facilitando o processo de compra e o comportamento do consumidor.

O ponto número um é, perceba como está funcionando o grande grupo, ele é muito interessante, pois gostamos de ser aceitos pela sociedade, de andar em grupos, como os animais. Devemos perceber como funciona a sociedade, como ela se desenvolve, como olhar e entrar nos grupos que existem nela, fazendo com que a massa escolha o seu produto ou serviço.

Lembra da estratégia utilizada por Henry Ford quando lançou o Ford T? Que doou alguns carros aos leiteiros para chegar o leite quentinho nas casas dos grandes comerciantes, e com isso gerou o desejo de todos possuírem um carro. Essa é a estratégia que é muito forte hoje em dia, percebemos isso com os influenciadores digitais, que ganham os produtos e fazem merchandising dos produtos para que a grande massa que os seguem passem a utilizar esses produtos ou serviços.

O ponto número dois é, siga quem sabe, utilizando o mesmo raciocínio, pois queremos seguir quem sabe. Lembra que vimos isso quando citei que somos as cinco pessoas que mais convivemos? Queremos seguir quem possa acrescentar algo em nossas vidas, profissionais e pessoais.

O ponto três é simplicidade, as pessoas precisam olhar e logo entender o que é o seu produto, o que ele faz, o que oferece, quais as vantagens dele. O ponto quatro é o atendimento diferenciado, queremos nos sentir únicos, especiais, queremos atendimento com qualidade, e a qualidade é o ponto cinco, qualidade do atendimento, do produto, do serviço.

O ponto seis é, saiba o nome dessa pessoa, dos seus consumidores, trate eles sempre pelo nome, o nome é a coisa mais importante que temos, é a primeira palavra que ouvimos. O ponto sete é focar na solução, qual a solução que esse produto me trás, é isso que as pessoas querem saber, como o produto vai facilitar suas vidas. O ponto oito é mais importante que eu são os meus, sabe aquele ditado adoça a boca do meu filho minha boca adoça? Imagine então que você trabalha em uma empresa e no cadastro você informa que tem filhos e a data de aniversário dele, e no dia do aniversário do seu filho você recebe algum presente em casa para o seu filho, essa empresa deixará uma marca em você, e você não esquecerá dela. Esse é o princípio mais importante que eu são os meus, devemos olhar essa dica com carinho.

O ponto nove é relacionamento, diga o que eu quero saber, lembra da dica três que é simplicidade? Então as empresas precisam dizer o que queremos saber, temos ouvido muito falar sobre escutatória, um colega meu de trabalho professor André Santos lançou um livro chamado escutatória. Precisamos aprender a escutar melhor, pois geralmente quando estamos escutando já estamos pensando no que responder, precisamos escutar mais, e dizer o que as pessoas querem saber.

O ponto dez é desmitifique o medo, facilite, faça as coisas serem simples, não deixe as pessoas com medo de perguntar sobre seu produto, ou com medo de testar. O ponto onze é facilite não dê, temos visto muitos sites que oferecem ebooks para baixar, lá digitamos nossos dados e começamos a receber alguns emails, através da utilização do inbound marketing, então facilite, mas não de, pois quando se dá algo, não somos valorizados, facilite, peça um email ou um telefone.

O ponto doze é, estimule os grupos, olha que interessante, voltamos para a clusterização, as pessoas consomem em grupos, lembra que eu falei em um texto sobre isso? Queremos consumir como os nossos. O ponto treze é, sua mãe sabe  mais, essa dica é interessante, pois a nossa mãe sempre sabe, converse com a mãe desse consumidor, stalkeia a mãe dele, quais comentários ela faz, começando a perceber como é a comunidade que você deseja entrar, como ela reage, como ela consome.

O ponto quatorze é muito importante, é, surpreenda, surpreenda sempre, em coisas simples, surpreenda na apresentação, no atendimento, para que você surpreenda cada vez mais, e se torne referência, quanto mais você surpreende mais referência você se torna, mais o seu consumidor te indica. O ponto quinze tem relação com um filme chamado Matrix, se você não assistiu, assista, ele é antigo mas vale muito apena assistir, neste filme eles constroem um ambiente que nós queremos que o cliente perceba, então perceba mais e construa um ambiente que o cliente perceba mais, que ele se sinta à vontade para consumir.

O ponto dezesseis é persuasão, eu fiz um curso que já citei no texto da semana passada sobre o poder do sim, e nas próximas semanas vamos conversar um pouco mais sobre a persuasão, e a importância de conseguir persuadir da maneira certa, da maneira positiva. O ponto dezessete é alegria versus satisfação, queremos que nossos clientes fiquem alegres, mas queremos que ele fique satisfeito e o foco deve ser na satisfação, lembrando do objetivo do marketing que é realizar trocas para que ambas as partes se satisfaçam, foque na satisfação.

O ponto dezoito é, economize energia, tornando seu produto simples, para que ao olhar o seu cliente saiba qual solução ele oferece. O ponto dezenove é utilize as técnicas de gamificação, faça seu cliente participar de alguma competição, de algum jogo simples, aprofunde esse processo de gamificação, compreenda como utilizá-lo em benefício de seu produto e serviço.

O ponto vinte é, não se importe com os sete pecados capitais, eles são biológicos, todo mundo sente fome, todo mundo tem gula, inveja, avareza, luxúria, ira, preguiça e vaidade. Lembre disso e não esqueça que cada vez mais devemos entrar na mente de nossos consumidores, entrar na mente de forma positiva, simplificando a vida dele, criando o mundo que queremos para que os consumidores consumam os produtos ou serviços que oferecemos. E não esqueça, que na vida tudo é uma troca, toda energia que você emana volta para você, se desejar que eu escreva alguma coisa é só mandar nos comentários, e me siga nas redes sociais, minha fanpage é @navidatudoétroca e meu instagram é @anabarbara.dias, obrigada e continue acompanhando semanalmente.

Ana Bárbara Dias